Bem - Vindos !!!



http://www.avivarcel.com/

Data/Hora

Pesquisar este blog

26 de julho de 2015

Não sei quantas almas tenho

 
Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,
Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.
Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: “Fui eu?”
Deus sabe, porque o escreveu.
 
Fernando Pessoa 


2 comentários:

  1. Ola amiga Celia, peço desculpas a vida ta muito corrida e tenho vindo poucas vezes neste lugar maravilhoso. Peço desculpas mas não esqueço . è falta de tempo mesmo. Como sempre o seu espaço esta maravilhoso. Mais uma vez parabens. Do amigo Joao batista(rottweilerumcaopanheiro)

    ResponderExcluir
  2. Olá Célia, maravilhoso poema de Fernando Pessoa.
    Saudades suas. Votos de uma Iluminada semana.
    Beijinhos de Luz!
    Ana Maria

    ResponderExcluir

Este blog não permite comentários anônimos.
A moderação de comentários foi ativada. Todos os comentários devem ser aprovados pelo autor do blog.

This blog does not allow anonymous comments.
Comment moderation is enabled. All comments must be approved by the blog author.


Google Translate
ArabicBlogger Tips And Tricks|Latest Tips For BloggersFree BacklinksBlogger Tips And Tricks Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch







LinkWithin



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

26 de julho de 2015

Não sei quantas almas tenho

 
Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,
Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.
Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: “Fui eu?”
Deus sabe, porque o escreveu.
 
Fernando Pessoa 


2 comentários:

  1. Ola amiga Celia, peço desculpas a vida ta muito corrida e tenho vindo poucas vezes neste lugar maravilhoso. Peço desculpas mas não esqueço . è falta de tempo mesmo. Como sempre o seu espaço esta maravilhoso. Mais uma vez parabens. Do amigo Joao batista(rottweilerumcaopanheiro)

    ResponderExcluir
  2. Olá Célia, maravilhoso poema de Fernando Pessoa.
    Saudades suas. Votos de uma Iluminada semana.
    Beijinhos de Luz!
    Ana Maria

    ResponderExcluir

Este blog não permite comentários anônimos.
A moderação de comentários foi ativada. Todos os comentários devem ser aprovados pelo autor do blog.

This blog does not allow anonymous comments.
Comment moderation is enabled. All comments must be approved by the blog author.